23 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA





(Foto de A. não identificado)



101.



Há em cada passo que dei

a marca de todos os homens

que vieram antes de mim.







22 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA




(Foto de Jan Saudek)



100.



Não quero falar do fim,

deixa-o para os desesperados.

Quero falar das estrelas

e dos tantos mundos que não visitei.








21 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA




(Foto de Sally Mann)




99.



Não posso dizer que te amo,

quando as pedras gemem a meus pés.

Quero-te apenas, com o carinho

de quem colheu pela vida

poucas rosas e muito espinho.





20 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA




(Foto vintage de A. não identificado)




98.





Na vida, o que tu és

conserva.

Terás apenas o chão que pisas

e muitos calos nos teus pés.








19 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA




(Foto de A. não identificado)



97.



Caminheiro, caminheiro,

não desperdices teu tempo

no descanso à beira do caminho, 

pois ao fim só te aguardam

o buraco e um punhado de flores.








18 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA




(Foto de Frantisek Drtikol)


96.





Não quero o teu sorriso, 

não quero o teu juízo:

pensa apenas que és

a última gota do deserto.







17 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA



(Foto de A. não identificado)





95.





No caminho à esquerda, guerra;

no caminho à direita, fome e miséria.

No do meio, um budista, 

bem no meio do nada.

Assim é o homem, pensei, 

depois de chutar a bunda do budista.







16 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA



(Foto de JR Duran - Laerte)



94.




Não brinco com deus

(tenho mais o que fazer)

mas, ele, como descansa desde o sétimo dia,

vive brincando comigo.











15 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA



(Foto de A. não identificado)




93.




Escrevo sempre assim:

com um olho, aberto, na natureza;

e o outro, bem fechado,

em mim.








14 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA



(Foto da internet)




92.



Lá fora, o canto do bem-te-vi.

Doce harmonia da natureza,

pensa, romântico, o poeta.

Este lugar é meu, 

atento, o ornitólogo interpreta.






13 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA



(Foto de Beth Moon)




91.





Caiu a fruta da árvore.

Não, não foi vontade de um deus:

frutas maduras 

costumam cair. Só isso. Mais nada.









12 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA


(Foto de A. não identificado)




90.





Ter esperança é acreditar

que vem um dia depois do outro,

sempre, sempre. 

Porque é assim o Universo.

Ou não?




11 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA



(Foto de Christopher Pugliese - Dream of Youth)



89.





Viva a vida, meu amigo, 

que a morte, mesmo certa,

não merece ser vivida.








10 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA





(Foto de Alex Krivtsov) 




88.



Cultivam os deuses a morte.

Eu? Apenas a vida, 

a vida apenas cultivo.

E odeio todos os deuses.





9 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA




(Foto de Lovisa)




87.



Não gosto de guerras, não gosto de armas.

Bastam aos homens, para se destruírem, 

mais que a força dos punhos, 

o ódio nas palavras.





8 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA




(Foto de A. não identificado)





86.



Há monumentos que eternizam conquistas.

Heróis, para que os queremos?

Servem suas estátuas apenas de pouso 

ao voo cansado de pombas inúteis.












7 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA





(Foto de Jan Saudek)



85.



Cultuas os mortos 

que juntos morreram no grande desastre.

Veleidades, apenas:

A morte é sempre morte, não importa

quantas vidas se vão, não importa

se contadas às centenas,

ou se apenas um bebê que morre à noite,

em seu berço solitário.





6 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA





(Foto de A. não identificado)



84.





Há muita chuva na nuvem que negreja.

Há muita vida, na terra,

à espera dessa chuva.

Mas a chuva que traz vida,

também pode trazer a morte.







5 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA




(Foto do autor)



83.



Prevendo a primavera,

vestiu-se de noiva a pitangueira.

E sem nenhuma vergonha, 

gravidíssima.








4 de abr de 2017

BECO SEM SAÍDA



(Foto de Beth Moon)





82.



Diz o poeta metafísico:

sonho sombras

enquanto semeio árvores.

O idiota do alumbramento,

penso bem dentro de mim,

nunca subiu numa árvore.