8 de nov de 2010

POEMAS ESPARSOS - 30


(Guennadi Ulibin)


Serviço


Ofereço-te prata
e ambicionas meu ouro.
Dou-te tudo quanto aspiras
e deixas-me falando comigo.
Se te agrado com minha chuva,
desagarras-te de mim
em busca de nuvens.
Sou teu escravo
e te recusas ser o meu senhor.
Bajulo-te e odeias-me.
Somos da mesma moeda
não a harmonia dos lados opostos:
em tua face os teus anseios ocultas.
Se te prometo o que desejas
não mais te interessam minhas intenções.
Tornas-te esfinge
se penso entender-te.
Devoras-me, no entanto,
se não me consomes.


Rio de Janeiro, 25/6/98


FIM 

DOS 

POEMAS ESPARSOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário