16 de jan de 2010

CANÇÕES DE AMOR E SAUDADE, À MODA ANTIGA - 15


(Paul Delvaux)





Estranhas as lendas que falam

de caminhos paralelos.

Estranhos os caminhos que seguem

para um encontro nunca realizado.

Veredas retas ou curvas,

em suaves meandros como os rios.

Ladeiras, íngremes ladeiras,

passando por inóspitas montanhas.

Vão-se assim os caminhos

lado a lado, gêmeos univitelinos,

parelhos, paralelos, para o páramo

onde, quem sabe? - enfim, no vazio,

se entrelacem num abraço de morte.

FIM

Nenhum comentário:

Postar um comentário