21 de jan de 2011

Despojamento



(Alfredo Volpi)






Não quero mais a poesia em roupagem de gala;
não quero mais a pretensão das proparoxítonas;
não quero mais a ditadura do terceto em rima rara;
não quero mais a linha sinuosa da riqueza lexical;
não quero mais o arrostar de metáforas portentosas;
não quero mais o ciciar inútil das aliterações;
não, não quero mais artifícios e tambores;
quero apenas a pausa sincera dos pontos e vírgulas
e, depois, quero apenas o silêncio dos pontos finais.







são paulo, 12 de outubro de 2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário