10 de jan de 2012

UM POEMA



(Amy Race)





De repente, assim, no meio da tarde,

Uma urgência rara,

Uma vontade louca

De sentar e escrever – 

Não importa quão longo ou tão curto – 

Um simples poema.

Ah! Um poema, um poema

Que não fale de amor ou saudade,

Que não cante pátria ou valores humanitários,

Apenas um poema de doce aroma repleto,

Alienado do mundo como tantos outros

Que leio por aí,

Apenas um poema que grite para mim

Da grande vontade de traçar alguns versos

Bem soltos e livres na página em branco

De papel ou do computador,

Apenas um poema que rasgue o meu peito

Em formato de bicho ou de flor,

Sem nenhuma cerimônia, sem nenhum respeito,

Mordendo e colhendo aqui e ali, uma rima justa

Ou um som mais rarefeito.

No ar da tarde que arde lá fora,

Não importa que tenha tal gosto

De comigo ficar ou de ir embora,

Basta que sejam versos bem livres

De teias e redes, estonteante beija-flor

Absorvido na faina de sobreviver mais um pouco,

Meu doceamargo poema de primavera,

Sem eira nem beira por longes telhados

Trepado aqui e ali, buscando apenas voar.

Doce pássaro alheio ao burburinho que vem

Da rua e dos ares em roncos de motores,

Um simples poema que cante somente

O ainda estar vivo e poder versejar.







(Terça-feira, 15 de outubro de 2002)

Nenhum comentário:

Postar um comentário