22 de ago de 2015

POEMAS DEPRESSIVOS



(Dino Vals)






Depois de tudo,


Estou na mesma.


Preciso


Retomar com urgência


Essa vida,


Sábia vida,


Sacal,


Antes que por


Ora me mate.

30.10.92




quando está seco o leito


do rio


não há nuvem que traga


qualquer esperança:


quando está triste o peito


no estio


não vê luta que traga


sonho e bonança


16.9.2000





bebo e refaço


o tempo de não sei o quê






abraço o tempo


enlaço o ensejo


balanço lento


qualquer desejo






fui o que sou


e sou o que fui


estou onde queria


e queria estar


onde não estou






sofro em mim


dentro de mim


o que o em mim


um dia foi o que sou


e é só o que penso


agora que não mais


quero ser o que não fui


deixo que corroa


em peito o cupim


deixo que sofra


o que nunca sofri


sou e sou e sou


mais do que estou


que a vida seja o que um dia fui


e aquilo que um dia fui


seja hoje o que ainda sou


nada mais


23.4.2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário