25 de mai de 2016

as velhas mangueiras




(Foto da internet, autor não identificado)




vem o caminheiro
por longo caminho através de vales e sebes
os pés rasgados pelas pedras
o peito cansado os olhos turvos
sede e fome
vem o caminheiro
pela tortuosa trilha das montanhas
suas vísceras encolhem querendo comer-se
como a cobra ao próprio rabo

vem o caminheiro por veredas e destinos
e então
à beira do caminho deserto encontra o caminheiro
o alívio para seu desalento
a copa verde o tronco austero o fruto maduro
a mangueira augusta pende seus galhos férteis
pensa o caminheiro
umas pedras para derrubar os frutos maduros
umas pedras
e os frutos amarelos e copiosos estarão ao meu alcance

entre o ato de agachar-se e o ato de tocar a primeira pedra
reflete o caminheiro
não é mangueira árvore que se apedreje
não é mangueira árvore a que se deva fazer mal
mangueira é árvore robusta
seu tronco nodoso desafia
seus frutos pendem fora do alcance às vezes
coragem é preciso para abraçar seu tronco
galgar seus galhos
acariciar seus frutos
apalpá-los com mão de seda
antes de apanhá-los e sugá-los

assim fez o caminheiro faminto
num último esforço de doçura e vida
desafiando a própria fraqueza
subiu lento e constante pelos galhos da bela mangueira
tocou seus frutos escolheu os mais maduros
desceu feliz

e chupou-os com a delicadeza dos namorados
e sugou seu sumo com o prazer dos amantes
e seu sumo doce aplacou sua sede
e sua carne tenra aplacou sua fome
e o caminheiro agradecido beijou ternamente
o nodoso tronco da velha mangueira

assim são as mangueiras ao longo do caminho
dão seus frutos a todos os caminheiros
não os distinguem entre ricos e pobres
simples e cultos
miseráveis ou ministros
religiosos ou ateus
a todos
as velhas mangueiras dão com prazer
seus deliciosos frutos
seus deliciosos sumos
nada querem senão que tenham um pouco
somente um pouco de carinho e respeito
por aqueles momentos de prazer inaudito
que seguirão para sempre no passo do caminho
e não sairão jamais de suas doces recordações

ah
as velhas mangueiras ao longo dos longos caminhos da vida



5.5.2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário