3 de nov de 2016

não gosto de cães



(Tiago Hoisel)





não gosto de cães

e eles não gostam de mim

fora isso

sou um cara igual a todos

sem mistérios

sem descrenças outras

que aquelas com que a vida

nos presenteia



os meus passos pisam

as mesmas pegadas

que pelos caminhos deixaram

outros seres como eu

na curta história da humanidade



os deuses do passado

tornaram-se em cães amestrados

a latir inutilmente para o futuro

um futuro bizarro e sem conotações

apenas um futuro



os pelos de meu rosto eriçam-se

a cada estrondo de morte

que permeia a galáxia onde nos toleramos



sou o que fui

e fui o que nunca serei



o vento das estrelas sopra os meus cabelos

e o cheiro de carniça

vem de trás de cada treliça

que separa e segrega



há esperança no entanto



há esperança

enquanto ladrarem molossos na escuridão

enquanto plantarem as vinhas nas encostas

enquanto se quebrarem as algemas nos dedos médios



não nos iludamos no entanto

caros companheiros da tragédia da vida

riamos até que ela aceite ser de novo comédia

e passeemos com dante em busca de beatriz

por todos os infernos que nos prometem

os pretensos e pretensiosos donos

desse mundo sem eira nem beira



não

não gosto de cães

e eles me detestam



29.10.2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário