24 de nov de 2016

o poeta





(Luiz Aquila)





não

não é o poeta apenas um fingidor



é também o poeta um pensador

que pensa tão profundamente

todas as dores do mundo

que se torna às vezes um sofredor

mesmo que as dores sentidas

sejam dores fingidas

fingidas há tanto tempo

que trazem marcas de vidas e ventos

e acabam dores tecidas

nos moinhos d’água e nos cata-ventos

dos morros arrostados pelas borrascas



não sofre à toa o poeta em seu fingimento

não canta à toa o poeta em seu atingimento

de cordas profundas e vagos sentimentos

pensa e descobre o destino

pensa e alivia os arranhões dos espinhos

e das pedras do meio dos caminhos



não

não é o poeta um fingidor apenas



vaga vário ao vento

segregado

degredado

do mundo

o pensamento





do poeta fingidor

do poeta pensador

do poeta sofredor



12.11.2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário