15 de jun de 2017

lua cheia de sexta-feira santa





(Eros Kara - bacchanales)


pela estrada tortuosa que subia morros e descia morros

fomos um dia eu e você

numa noite de sexta-feira santa em nosso carro popular

as ruas da cidade entupiam de gente batendo matraca

acompanhando a imagem patética de um cristo morto

fugimos eu e você

éramos nós dois uma entidade santa de sexo e prazer

éramos nós dois uma procissão inteira de arrepios e gozos

o nosso carro popular

você se lembra?

subiu a lenta ladeira rumo ao alto sob a lua de uma sexta-feira santa

como a procissão lá embaixo sob o canto da verônica

a lua esplendia no céu de março o tempo de nosso orgasmo

lá em cima parei o carro desliguei o motor e nos beijamos

não havia som de matraca nem o canto da verônica nem os passos

da lenta procissão a percorrer as ruas da cidade entupida de gente

só nós dois e nosso tesão e nos possuímos à luz da lua

numa noite de sexta-feira santa como santo era o nosso prazer

a procissão acabou a lua caiu no rio as matracas se calaram

ficaram esses versos




14.6.2017





Nenhum comentário:

Postar um comentário