13 de set de 2017

ébano



(Autoria não identificada)




era uma negra gorda feia pobre e já gasta na casa dos trinta

não tinha mais ilusões senão levar a vida que leva toda negra

gorda feia pobre e já gasta pela vida na casa dos trinta

vendendo flores artificiais no mercado da cidade



mas a negra gorda feia e pobre vendedora de flores artificiais

no mercado da cidade um dia conheceu um príncipe que dela se enamorou



o príncipe era jovem e além de jovem muito rico e além de jovem e rico

era também muito belo e o príncipe belo rico e jovem e a negra já passada

em anos gorda feia e pobre enamorados na catedral da cidade se casaram



como era rico o príncipe pagou-lhe os melhores médicos nutricionistas

e a gorda negra já passada em anos ficou magra embora ainda feia



como era rico o príncipe pagou-lhe os melhores cirurgiões plásticos

e a quase velha gorda e feia em mãos hábeis linda e magra negra se tonou



era ela agora uma negra magra bela rica e jovem que vivia em palácios

amando um príncipe e por ele sendo amada um príncipe poderoso rico e jovem

um príncipe de sonhos sem cavalo branco e eram muito muito felizes



o príncipe amava a bela cor de ébano de sua mulher e amava cada riso

cada covinha de seu rosto perfeito cada curva de suas ancas e era feliz por isso



a negra bela magra rica e jovem amava o príncipe e queria mais que tudo

a sua felicidade o seu prazer e um dia ao levantar-se dos braços do amado

de entre sedas e arminhos no quarto todo branco contemplou-se longamente

no grande espelho de cristal que havia no quarto branco de sedas e arminhos



viu-se bela os seios rijos as pernas longas redondas ancas viu-se

viu-se em plena nudez a pele a brilhar em negro contraste do quarto branco

de sedas e arminhos de brancos lençóis do branco leito nupcial e então

não se sentiu feliz com o ébano de sua cor e disse ao branco e loiro príncipe

amado meu uma última surpresa ainda lhe quero dar talvez a maior de todas

e provar para sempre o meu amor e só você com todo o seu poder pode

me proporcionar que essa grande surpresa eu venha a lhe dar



o príncipe já antegozando de tantos prazeres que ela lhe dava

mais essa deliciosa surpresa e já que a nenhum pedido da amada negava

disse-lhe que feliz já era tanto mas se era a sua vontade aguardaria

a surpresa que sua guerreira das savanas d’áfrica lhe prometia e beijou-a



viajou a negra esposa do príncipe feliz não sem antes tantas promessas

de amor e tantos beijos e tantos enleios e tantos abraços que ela voltaria

e ela realmente voltou uma nova mulher que era antes bem antes uma negra

gorda feia pobre e já gasta pelos anos agora apresentou-se ao príncipe

uma mulher rica magra bela de longos olhos negros e pele cor da lua

cabelos longos e loiros em cascatas de ouro pelas costas brancas e nuas



contemplou-a o príncipe por longos momentos os olhos descrentes do que via

despiu-a toda e viu que que era belo aquele corpo de pelos glabros

do ébano de outrora nada restara naquela brancura de lua e cabelos tão louros

olhou-a nos olhos e mal reconheceu a negra de ébano guerreira que via

cavalgando planícies d’áfrica sobre o seu ventre cabelos ao vento em noites

de lua em noites de estrelas o ébano de seu corpo a brilhar na brancura

daquele leito de sedas brancas e arminhos de neve naquela brancura de leite

do quarto nupcial e sim ele gostou do que viu mas não era mais a mulher

como dizer como dizer não era não era mais a mulher adorada a negra

de pele de ébano de pele tão negra como as longas noites de amor sem luar

tomou-se o príncipe de uma tristeza abissal e fez aquilo que nunca imaginou

que pudesse um dia fazer à mulher amada expulsou-a do quarto tão branco

expulsou-a do palácio que para ela construíra expulsou-a de sua vida



voltou a vender flores de plástico no velho mercado a bela mulher

e o tempo aos poucos em poucos meses de luta e de miséria trouxe de volta

aquela que se escondera sob a pele branca e cabelos louros e ela tornou-se

de novo a negra ainda mais feia ainda mais gorda ainda mais velha

a vender flores de plástico no velho mercado de todos motivo de riso e chacota



o príncipe em seu castelo sozinho não ficou e logo uma loura e linda mulher

autêntica representante das neves de nórdicos países tomou-lhe a mão e o leito

parecem felizes em fotos de revistas casal modelo um para o outro feito

que é bela a loura e magra e jovem e rica e nunca vendeu flores no mercado



no sorriso de fotos de revistas o príncipe tem no fundo dos olhos

que só um dia a velha gorda e feia negra do mercado notou bem lá no fundo

a tristeza profunda do belo príncipe em seu castelo com sua linda mulher



sonha o príncipe todas as noites e acordado sonha o príncipe todos os dias

com sua negra de pele de noite sem estrela a sua amada mais amada

que tudo no mundo e sabe que nunca mais esquecerá por toda a sua vida

aquele riso branco no rosto mais negro que noite sem lua a sua amada de ébano

12.8.2017


Nenhum comentário:

Postar um comentário