24 de dez de 2008

CAMINHEIRO DE MINAS




(Jonas Odab - paisagem mineira)




Manhã na estrada, a rã
pula:
pula a mula.

I

Caminha o caminheiro
com seu passo
ligeiro.

I

O tempo
ao vento
é lento.

I

Na trilha,
o sol
mais que brilha.

I


O cão vadio:
a vida sempre
por um fio.

I

Canta o carro de boi
que a vida
ainda não se foi.

I

Constrói
o caminho
quem anda sozinho.

I

Montanhas
de Minas:
saudades traquinas.

I

No topo
do morro, num sopro:
socorro!

I

De cada caminho,
guardam os pés
um espinho.

I

Rasga a pele
o espinho que medra.
A alma, rasga-a a pedra.

I

Ao fim do caminho,
a cidade.
Ao fim do olhar, a saudade.

I

Seja por onde for,
leva o caminheiro
o seu amor.

I

O caminheiro o passo aperta
carregando no peito
a chaga aberta.

I

Caminheiro, esta a sina:
só dói quando caminha
esse amor que amofina.

I

No rosto
o vento que bate
só traz desgosto.

I

Cada passo
que avança
uma triste lembrança.

I

À noite,
na estrada, o vento
é açoite.

I

Dorme o corpo cansado:
não descansa o peito
desesperado.

I

Se sonha, estremece:
no sonho um olho preto
que o endoidece.

I

Cansado
como um cão vadio,
não sente dor nem frio.

I

Dia após dia,
noite após noite,
amor não cansa nem fia.

I

De novo na estrada,
segue triste o caminheiro
e mais nada.


I

Caminha, caminheiro,
caminha:
leva como sua
a dor que é a minha.





(Foto de Fátima Alves - paisagem mineira)


(quinta-feira, 10 de agosto de 2000)



Nenhum comentário:

Postar um comentário