6 de ago de 2010

POEMAS DE LOUCO AMAR - 19


O fogo que te queima











O fogo que te queima
não derrete o gelo eterno
de meu peito em neve.
Se te levo aos píncaros,
do teu gozo atesta apenas
o gosto azedo
do limão-bravo.
Se me torno teu escravo,
do sexo que perfuma meu corpo
fica apenas a fragrância
do mel que há no pólen.
Ouço teus gemidos
a ressoar em eco na caverna
de meu peito vazio,
mas a mente divaga
ao som de cantos vagos
de sereias inexistentes.
Mas, apesar da dor,
além do simples prazer,
recrio em fogos de artifício
o amor outrora tido,
para amar a sombra
de tudo que temos perdido.

30.6.93


(Ilustração: Picasso)


Nenhum comentário:

Postar um comentário