13 de ago de 2016

Tensão





(François Millet)




Sempre tão tensas

nossas conversas.

Não alcanço o que pensas

quando tergiversas.

Não espero futuro,

não despejo inúteis palavras.

Somente o que te juro

são o ouro que tu lavras.

Na bateia das minhas ideias

faze-te de ouvidos moucos

e te defendes em colmeias

como inseto em voos loucos.

Sempre tão tensas

nossas conversas

que me dispensas

e te dispersas.




23.7.2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário