20 de abr de 2018

Cilícios









A ti me entrego em holocausto,

na chama que nasce de teu vício.

É teu corpo em transe um fausto

que compensa o meu suplício.

Não te nego e tu não me negas:

mesmo quando aperto teus cilícios,

sou eu a morrer em mil entregas. 





(Ilustração: a. não identificado)



Nenhum comentário:

Postar um comentário