1 de set de 2010

POEMAS ESPARSOS - 3


(Guennadi Ulibin)



A SÍNDROME







Que venha o diabo

na pele macia da vamp loira

da sala escura

que eu - seu escravo -

me transporto ao porto

dos ventres podres

e cato como um rato

o resto indigesto de um rock’n roll.

Que venha o demo

de dentro de mim

uivando à lua

na rua do fim.

Que venha o coisa-ruim

a ruminar estranhas

bacanais

a mexer nos ânus das putas

abruptas tranfusões umbilicais

desperto o desejo no pejo

de não gozar

do porto o mar

a síndrome

malditos todos os lupanares.

Que venha o cão

à peste de todos os ares

separando os pares

nos seus esponsais

homossexuais.

Que venha o capeta

do fundo dos tempos

que não mais existirão

a ruminar a gosma negra

do prazer outra vez maldito.

Que venha das trevas luciferinas

soltar seu grito

o diabo demo coisa-ruim

o cão capeta

a síndrome - viagem sem fim

a que destinas

todos os que ousam buscar além

prazer e gozos que - achas - não convêm.




7.3.90

Nenhum comentário:

Postar um comentário