12 de mai de 2010

POEMAS DO MUNDO: fractais 4


(Antônio Bandeira)



do círculo semiperfeito
ao quadrado em potencial
explodem equações
de caráter universal

mágico o mundo desfaz
sem eira nem lógica
enrosca-se num teorema
do pobre Pascal
e acaba num vago poema
da arte fractal
de todas as bases
revoltam-se expoentes
em busca da ilógica
e de todas as partes
as artes que têm
mergulham em alfa
do Bach ao budismo

e volta o círculo ao quadrado
re-volta a vida aos trilhos
presente e futuro num só passado
arrebentam todos os brilhos



3.6.92

Nenhum comentário:

Postar um comentário