9 de dez de 2016

madrugada




(Olivier Moreau)





fui dormir tarde

muito tarde

acordei sobressaltado

algumas horas depois



liguei o rádio e tocava

uma fuga de bach



a figura de uma atriz nua

e angelicalmente desbocada

povoou meus sonhos e desejos



para espantar tal visão

li e reli dois contos de ficções

de jorge luis borges

até que a madrugada se transformasse

em luz tênue no canto do sabiá



o dia chuvoso prometia

nunca mais ser o mesmo

de todos os dias chuvosos

narrados por cervantes



inútil continuar a sonhar

com o corpo esguio da atriz nua





o tilintar das moedas

caindo no poço dos desejos

seria a sina final daquele despertar



28.11.2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário