5 de mai de 2018

un faune









sigo com os olhos le prélude de l’après midi d’un faune

o tronco rugoso a escalada as mangas o lusco-fusco

o pequeno fauno descansa num galho e sonha

a noite vem lenta e a lua lentamente enluara o vale

sonha o sonho que sabe a manga madura o pequeno fauno

os olhos atentos os ouvidos a ouvir os grilos

o som do vale e da vida pululando em chaminés longínquas

o cheiro da folha da mangueira a manga madura no galho mais fino

os grilos o cicio dos pássaros o arrulhar do vento

a noite que chega o pequeno fauno lento em seu sonhar

não havia ali nenhum debussy só o farfalhar do luar

o bem-te-vi talvez algum ninho de colibri

nas folhas folhosas da mangueira o cheiro da lua

o vento e sonhos que o vento leva para sempre





17.3.2018

(Ilustração: foto de Fátima Alves; Lavras/MG) 




Nenhum comentário:

Postar um comentário