1 de out de 2010

POEMAS ESPARSOS - 14


(Guennadi Ulibin)



Sombra


Caminha atrás de mim uma sombra
calma e fria como a morte:
seus gestos são meus gestos
seus passos são meus passos;
vem, a sutil, a envolver-me em seu manto
pouco a pouco em tenaz perseguição;
se paro, estanca o passo e me contempla
com um triste sorriso de prenúncios;
se corro, alcança-me em poucos segundos
e seus olhos advertem-me para o inútil gesto;
se contemplo o futuro em busca de luz,
projeta-se ela à frente de meus olhos
e tudo que sinto reverte-se em dor,
a fechar horizontes outrora tão amplos;
exausto, enfim, entrego-me à sombra,
abraço-a em pranto, os dentes cerrados,
afundo-me em trevas, os olhos em fogo,
mergulho em seu peito em busca do nada
e encontro, por fim, num último suspiro,
toda a tristeza que sempre me seguiu.

3.9.92

Nenhum comentário:

Postar um comentário