29 de dez de 2015

fúria




 (James Jebusa Shannon - cuentos de la selva -1895)



não há fúria em meus versos
mesmo quando motivos não faltam

não é a vida calmaria em noite serena
ou luar sombreando mangueirais
gritar e berrar no entanto para quê
se os ouvidos estão sempre surdos
ao bater dos pés ao som dos tambores

curta-se a vida tão curta quanto seja
e não se espere que ela nos recompense
com o viver ameno dos pássaros em voo
que flanam aos ventos e às tempestades
ou como os peixes mudos dos oceanos
a cumprir a rotina de correntes e marés

curta-se a vida com o peso que lhe damos
e sejamos capazes de olhar para trás
e ver não só o passado que vivemos
mas também a vida que deixamos de viver



16.12.2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário