13 de dez de 2015

jambo







(Erich von Götha) 







tem o teu sexo o sabor perfumado


do jambo maduro caído do bico


do pássaro desastrado






quintal de selva e espanto


revive o tempo a cada espasmo


e tece a tela de azul primavera


o mundo todo num só orgasmo






busco cheiros de eu menino


a plantar na terra molhada


do jambo o caroço bifurcado


ave em ninho acomodada






permanece em meu corpo o teu cheiro de jambo


como a segunda pele ao prazer dedicada


estranho fruto doura e perfuma o paladar


e faz de ti dentre todas a mais amada

28.10.2015




Nenhum comentário:

Postar um comentário