2 de dez de 2015

POEMAS DO COTIDIANO



Covardia



(martin van maele)



Pego o telefone e disco o teu número.
O fone toca
na casa distante de um jardim de minha memória.
Alguém atende: serás tu?
Desligo!
Covarde, desligo o telefone,
antes mesmo de ouvir tua voz
do outro lado da vida a dizer-me
um simples e simplório alô.
E nesse não gesto de encontrar-te,
enlouqueço.
E nessa palavra que não ouvi,
desencarno-me e lanço-me
em loucas memórias
de sonhos que não vivi,
de pedaços de vida que não sonhei.
Construo em mim o castelo
de poetas loucos
do século dezenove,
para projetar em ti
um sonho futurista do poeta louco do dias de hoje.
Sou sombra de mim
a projetar no passado
o futuro de ti
no presente de sombras e loucuras
bem no meio de um tempo
em que não estás.
Sou apenas o não ser
da vida louca de tempos que não mais hão
de projetar o que sou
no tempo de não ser, porra!


17.7.96



Nenhum comentário:

Postar um comentário