17 de fev de 2016

AMAR-TE É TRAMA

16 


memória



(Nicholas Maes)




do fundo da memória
ouço o cheiro de café pingando do coador
de pano
e minha pele arrepia

a manga-rosa esmaece o verde
e a mangueira enlouquece
os sabiás e bem-te-vis

há o apito do trem ao longe
na lenta curva antes do barranco
e a tarde travessa atravessa o quintal
em busca do feijão a cozinhar
no fogão aquecido pela queima da serragem

ao perfume do cedro e do carvalho
o banho é inevitável
a sopa também

é a hora de acender a lamparina
vestir o pijama e depois dormir
ao som do grilo e dos fantasmas
da noite

- minha mãe puxa o terço


26.12.2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário