23 de abr de 2016

grilo



(Teodoro Nuñez Ureta)





eu nunca soube


o que era aquilo






sob as tábuas do assoalho


da velha casa


havia um grilo


havia um grilo sob


as velhas tábuas


do assoalho da casa


da velha casa






havia um grilo cantando


dia e noite


noite e dia


havia um grilo cantando






e deu sim muito trabalho


arrancar tábuas


varrer tudo


perscrutar


procurar e procurar


e nada encontrar


sob o assoalho da velha casa


não se achou o tal do grilo






continou cantando o grilo


noite e dia


dia e noite


o grilo continuou cantando






cantando como canta


qualquer grilo


e nunca se soube


o que era aquilo


15.4.2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário