1 de abr de 2016

LUPANÁRIO

33


 lua





em noites de lua cheia
a sombra do teu corpo
escorre pela sarjeta

completas tua trajetória
de mulher e puta
buscando braguilhas abertas
e bocas sem esperança

a lua contigo caminha
a lua contigo compartilha
a lua contigo estremece
a lua contigo estertora

e somem ambas ao mesmo tempo
exausta mais a puta que a mulher

fria e longíqua lá em cima
sorri a lua pálida à luz da aurora

em farrapos te deitas
em meu leito
em farrapos te beijo os seios
juntando ambos na minha boca
enquanto brilha
na retina de teus olhos
a outra lua
a lua dos loucos
a lua dos desesperados


23.6.2013








34



 tatuagem








mata-me
desata-me os nós
do desejo
cala a minha voz
é o teu ensejo
de traçar outro destino
de tomar outro navio
encolho o meu cio
e não mais protejo
a intimidade e o desatino
com que a cada hora
construo nossa trilha
nessa cidade - manda-me então
embora
- a louca a gritar orgasmos
já quase rouca -
- espesso o esperma em minha boca -
já tens a tua marca em cada praça
de meu corpo
tatuadas as pontas de teu dente
desata de uma vez
não contes nem até três
mata-me
mata enfim esse amor tão imprudente
tão impudente


28.10.2013




Nenhum comentário:

Postar um comentário