31 de mar de 2016

LUPANÁRIO

31


 madrugada







na madrugada
teces caminhos com teu salto

na madrugada
cavalgo alazões de desespero

na madrugada tu te encontras
e és mulher

na madrugada eu me derreto
e sou apenas
um arremedo de amante
que finge ser teu cafetão



14.6.2013



32


 só tu, amigo e amante






não choro as noites de orgia
não lamento os excessos de minha vida

sinto em cada dobra de meu corpo
não as mãos que me apalparam
mas as marcas que aqui ficaram
de dores e cicatrizes

não maldigo os caminhos que trilhei
nem sinto saudade de seres a quem me entreguei
homens
mulheres
jovens
velhos e velhas
feios bonitos mancos e travados
muitos que se banquetearam
também mataram
com a fome que tiveram a  fome que despertaram

sou tua hoje como sempre
mesmo antes que me tivesses
porque, amigo e amante, do meu ventre
só tu sabes colher todas as benesses



28.10.2013


Nenhum comentário:

Postar um comentário