20 de mar de 2016

LUPANÁRIO

9 

palco





no teu apartamento de quarenta metros quadrados
armas na sala o palco de nossos arroubos
um colchão sem lençol
um travesseiro sem fronhas

deitas e me deito
sobre ti
não há nenhum gemido
enquanto meto o membro certeiro
para esvaziar de vez
todas as minhas tentativas de sonho


22.3.2013




10

quando de sobre mim te levantas   





quando de sobre mim te levantas
não és o deus de bronze
nem o homem frágil de pau mole
és apenas o desejo antigo
de todos os homens sobre todas as mulheres
o animal insaciado a buscar
no vão das minhas pernas
a ascensão em vida que sonhas ao morrer
e morres, sim, morres cada vez
que ejaculas em meu reto
ou tombas no meio da foda
exausto e ainda faminto
e quando enfim te levantas
de sobre mim
cumpriste apenas aquilo para o qual
tu nasceste
cumpriste o triste dom de seres macho
só isso e nada mais


9.8.2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário