16 de nov de 2015

POEMAS DO COTIDIANO



A morte



(martin van maele) 


A morte
 ronda e seduz.
A morte
não ocupa lugar.
A morte imita o vento e o luar
E transforma
 o que é vida
 em luz.


23/6/96

Nenhum comentário:

Postar um comentário