11 de nov de 2015

POEMAS DO COTIDIANO


Como uma sombra



(martin van maele)


Vieste como uma sombra
e, com a mão suave em meu ombro,
num leve toque de sutil encantamento,
deixaste em mim, para sempre,
o indelével perfume da tua existência.


12/4/96


Nenhum comentário:

Postar um comentário