9 de abr de 2010

POEMAS DO MUNDO: do fazer poético 10



Sabes por que escrevo
assim como quem devo
deixar como escravo
o verso que vem?
Sabes por que solto
o solto salto que volta
disforme em forma
de verso?
Sabes? Talvez saibas!
Talvez saibas do espasmo.
Talvez pressintas o orgasmo.
Mas jamais saberás
do pranto
do espanto
da dor.



17.2.92




(Ilustração: Malevich)

Nenhum comentário:

Postar um comentário