26 de abr de 2010

POEMAS DO MUNDO: lugares... caminhos... 5


LADEIRA DA MEMÓRIA

em passo lento
flash-back
no pé do moleque
na lama podre
do tempo lento
Escorre o tempo
e o rio ri
para o bem-te-vi
o padre reza
a missa louca

na casa de adobe
comida pouca
chapéu de aba
espada
na cinta do bandeirante
e o rio leva
para além de Itapeva
o vento uivante
o caldo espesso
de um trem só de ida
chamado progresso

e a lama pobre
se escorre se escorre
além do vento
além do espanto

alvenaria
telha européia
dinheiro - um tanto
ave-maria
e gonorreia

um prédio alto

e como num salto
o bonde
vai aonde
o homem vai

a mata seca
o rio seca
secam-se as almas

em vez das palmas
e palmares
sobem aos ares
fuligem preta

os imigrantes chegam
colorem as ruas

no rio podre não mais navegam
velhas chaluas
levadas ao vento
fazendo história

e desce a ladeira
secando a poeira
o sangue novo
do velho povo
já sem memória.


(Ilustração: São Paulo antiga - Ladeira da Memória, s/d, autor não identificado)



Nenhum comentário:

Postar um comentário