5 de abr de 2010

POEMAS DO MUNDO: do fazer poético 6




Brinco, sim, eu brinco
com os poemas
com as palavras
com os sons
tão bons os sons os sons os sons
da língua portuguesa.
Não me importa a rima
não me importa a lima
gosto quando vem
não desgosto quando tem
o verso no seu reverso
o gosto bom de um raro som
no que seja
do lago verso
como uma pedra lançada a esmo
espalha ondas em mim mesmo.
Brinco
de pôr um trinco
em cada verso
fechando ao senso
o strictu sensu.
Só não brinco
quando sinto
no verso frouxo
a minha falta
de inspiração.



(Ilustração: Malevich)

Nenhum comentário:

Postar um comentário