13 de abr de 2010

POEMAS DO MUNDO: lira 1




Depende, para viver, o poeta
do seu mundo imaginário:
sonha, em sonhos de esteta,
com a mulher ideal;
mas, como o mundo é vário,
vive o sonho com a mulher real.

E, na roda do sonho, a vida
vira sonho e o sonho, vaidade.
Da ilusão a estrada perdida
esfuma-se numa só saudade.

Do pensamento à emoção,
ou da emoção ao pensar,
revive em sonho a tesão
e pensa cada vez mais amar.

Imagina o poeta, ao pensar
que o amor a tudo transforma,
ser o mundo o seu sonhar,
ser o ideal de seu sonho a forma.

E entre o mundo de ser e não ser,
revela em versos seu desgosto:
paga com o sonho, por viver
em sonhos eternamente posto.
8.4.91

(Ilustração: Ray Caesar)

Um comentário:

  1. Voce me fez lembrar o poeta fingidor de Fernando Pessoa com este poema. Inspirado e muito verdadeiro.

    ResponderExcluir