11 de abr de 2010

POEMAS DO MUNDO: do fazer poético 12



Caço em mim o pássaro
casso o canto
castro o espanto
inadiável pranto
premente poema
casto verso tão diverso
do que sinto
aríete que explode
- para mim não minto -
minto apenas sobre as penas
não do pássaro que morto está
mas das penas que pressinto
fugazes mas tenazes
libertas do eito do meu peito
e casso então
para meu espanto
o doce encanto
das dores de amores
do meu coração.



17.2.92

(Ilustração: Malevich)

Nenhum comentário:

Postar um comentário